Política

Após delação, Michel Temer pode cair a qualquer momento, povo vai às ruas.

Compartilhe isso:

O que já era claro para todos que lutam há tempos nas ruas de todo o Brasil, enfrentando gás, bomba, tiros de bala de borracha e de munição fatal, finalmente veio à tona. O presidente Michel Temer foi flagrado em uma gravação feita pelos donos do frigorífico JBS, Joesley e Wesley Batista, dando aval para comprar silêncio de Eduardo Cunha. A gravação faz parte da delação premiada dos irmãos Batista, que sedentos por uma fatia do bolo na bolsa de valores americana, resolveram entregar o jogo e seus comparsas enquanto negociam em Nova York os pepinos que seu grupo empresarial angariou com a Operação Lava Jato.

A notícia do flagrante foi dada ironicamente pela empresa de mídia que mais apoiou  esse “House of Cards” brasileiro. A família Marinho, através do jornal O Globo,  foi quem deu o furo na tarde de ontem (18), ao que parece o motivo da investida dos globais na derrubada de Temer e sua república burguesa é apenas para trocar burgos por burgos, ou castelos por castelos. Chamada de golpista desde os tempos de “redemocratização” do país, a Globo agora se coloca de fato como o 4º poder do atual estado burguês, em partes tenta se recuperar das contas no vermelho, como aponta um texto que roda nas redes e que é atribuído ao historiador Fernando Horta, por outro lado, mas não menos autoritário, destila sua estratégia corporativista para manter seu poder na opinião pública e continuar seu processo manipulatório que preserva a democracia burguesa em detrimento do avanço social do povo brasileiro.

4

Na delação, Joesley diz que entregou uma gravação feita no dia 7 de março de 2017, na qual Michel Temer indica o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) para resolver assuntos da J&F, que é uma sociedade criada com o objetivo de administrar um grupo de empresas (conglomerado), conhecida popularmente como Holding. Quando Temer ainda era vice-presidente, o deputado Loures foi chefe de Relações Institucionais da Presidência, já após o impeachment de Dilma Rousseff, o deputado foi assessor especial do Presidente. Loures foi indicado pela próprio Temer para resolver os pedidos dos irmãos Batista, em troca, o deputado receberia o pagamento de R$ 500 mil semanais por 20 anos. Um dos pagamentos foram flagrados pelos meganhas da Federal.

No dia em que foi gravado, Temer teria recebido Joesley Batista no Palácio do Jaburu, residência oficial da vice-presidência, da qual Temer resolveu continuar morando mesmo após o impeachment, o empresário da JBS teria dito ao já presidente Temer que estava dando a Eduardo Cunha e ao operador Lúcio Funaro uma mesada para que permanecessem calados na prisão. A propina para barrar a caguetagem de Cunha foi aprovada por Temer, que na gravação diz: “tem que manter isso, viu?”

O tucano Aécio Neves, sempre blindado pela mídia, assim como sua revoada de partido, também foi delatado. Na gravação, o presidente do PSDB pede a Joesley a quantia de R$ 2 milhões para colaborar nos custos de sua defesa na Lava Jato.

É, a casa grande está desmoronando diante de sua própria justiça burguesa, o jogo no tabuleiro começa a se acirrar. O povo marginalizado à este jogo e que apenas sofre com as consequências do gozo político precisa ir às ruas e tomar o controle do país, antes que figuras fantasmagóricas de 1964 e afins tentem fazer isso à força e bala. Estamos em um ambiente complexo, onde a polarização do povo naquele velho FlaFlu se mistura às “reinações de Draculinha” e sua banca.

Foto por: Bárbara Dias/Fotoguerrilha
Foto por: Bárbara Dias/Fotoguerrilha

No caso da esquerda verdadeiramente socialista, a atitude revolucionária merece espaço, a ação direta deve dar lugar às diretas, pois se continuarmos a pedir novas eleições só iremos nos jogar em um grande rio de contradições e incertezas, fadados a nos afogar novamente em um oceano de águas turbulentas. Se os socialistas revolucionários não se desvincularem das amarras petistas e sindicalistas nunca teremos um caminho a trilhar, pois o horizonte de mudanças é agora a busca pelo poder popular como desenvolvimento deste rizoma eterno que nos propomos a viver.

Pelo menos em São Paulo e Rio de Janeiro, atos estão sendo marcados para hoje (19), às 17h. Porém, só ir às ruas, ocupá-las, enfrentar a Polícia Militar e depois deixá-las não dará resultado algum. Um novo junho se aproxima em maio, antecipar as lutas e enfrentar o autoritarismo que se aproxima é essencial para garantir os direitos que ainda temos em nosso presente e preservar um futuro revolucionário de fato.

dgfsdg
Foto por: Kauê Pallone/Fotoguerrilha

De acordo com informações de Brasília, Michel Temer pode dar uma declaração ainda hoje, o que pede ainda mais que o povo esteja nas ruas e dê sua resposta imediata à hipocrisia que será levantada por ele para sustentar sua posição.  Seja sua renúncia ou qualquer outra forma de derrubada desta república, é preciso se organizar para enfrentar o que está por vir. Uma eleição indireta pode ser a possibilidade, o que não devemos cogitar como possibilidade e nos conformar, assim como a tradicional eleição dentro deste sistema burguês não deve ser aceita. Estaremos nas ruas, às lutas compxs.

Compartilhe isso:

Comente

Comentários

Powered by Facebook Comments